Repertório

A Menina bonita do laço de fita - Ana Maria Machado
Era uma menina linda. A pele era escura e lustrosa, que nem pelo da pantera quando pula na chuva. Do lado da casa dela morava um coelho que achava a menina a pessoa mais linda que ele já tinha visto na vida. Queria ter uma filha linda e pretinha como ela.


Entre as folhas do verde O - Livro: Uma Ideia Toda Azul - Marina Colassanti
A fábula traz um príncipe que sai para caçar na floresta. Lá, ele encontra uma mulher-corça e a captura com uma flechada. Em seguida, a mantém presa em um quarto do castelo, onde apenas ele a visitava. Ambos se amavam, porém tinham ambições diferentes: ela desejava levá-lo para a floresta e transformá-lo em uma corça; enquanto ele desejava mantê-la no castelo e transformá-la em mulher. Certo dia, a corça-mulher acordou somente mulher a pedido do príncipe. E, então, quando aprendeu a andar, na primeira oportunidade, retornou à floresta e pediu à Rainha corça para retornar à sua forma original.


Leocádio, o leão que mandava bala - Shel Silvestein
Contrariando a regra de que livros para crianças devem abordar um único tema, e de preferência, simples, este livro fala de 'idéias complicadas'. A satisfação dos desejos no mundo do consumo, o poder das armas, a aquisição de novas habilidades e tecnologias e tudo o que afasta o homem de sua natureza são os temas desta incrível história. Leocádio é um leão que não tinha este nome quando jovem, mas que um dia resolveu enfrentar um caçador - não porque quisesse matá-lo, mas porque gostara da aparência dele com seu chapéu vermelho e os olhos verdes.
Maria Blazejovsky e Klaus-Peter Wolf


Onde Vivem os Monstros - Maurice Sendak
Em 'Onde Vivem os Monstros', Max é um garoto travesso, mandado de castigo para seu quarto depois de desobedecer à mãe. Porém, a imaginação dele está livre para voar, e logo o transporta para uma enorme floresta à beira-mar. Encantado, parte para a terra dos Monstros Selvagens, onde as travessuras são lei, e Max é o rei.


Por duas asas de veludo – Livro: Uma Ideia Toda Azul - Marina Colassanti
Narra a história de uma princesa que persegue e coleciona borboletas que não se contentava das que tinha nas caixinhas queria mais e vivia a caçar. Numa noite escura viu uma imensa borboleta negra voando lenta no azul que se apagava, correu querendo apanhá-la, tropeçou numa pedra e caiu e nada ouviu só o silêncio da noite. Ao tentar perseguir a borboleta ela descobre verdades sobre si mesma.


Romeu e Julieta - Baseada na clássica e doce história de Shakespeare, ilustrada pelas palavras de Ruth Rocha, essa versão para crianças, traz Romeu e Julieta como duas borboletas que vivem em canteiros separados por cores, em um tempo que não haviam misturas: as borboletas amarelas nos canteiros amarelos e as borboletas azuis nos canteiros azuis.


(Re)contos Grimm -Quem conta um conto aumenta um ponto. Através dos contos recolhidos pelos irmãos Grimm, a Cia. Girolê reconta A Serpente Branca, Tolinho e O Pescador e sua Mulher e cria um desfecho inusitado para o fragmento inacabado A Princesa que tinha um Piolho. Essas histórias suscitam à reflexão do que é violência nas suas diferentes formas. Utilizando-se da técnica de abstração de objetos e apresentando canções autorais, esses contos ganham novos pontos.


A Palavra Feia de Alberto - Que palavra usaria se pisassem no seu dedão? Alberto usou uma palavra feia, horripilante, nada elegante. Assim, começou a confusão! Existem tantas palavras voando nesse mundão, só tem que escolher a melhor pra cada situação. Essa história foi adaptada do livro homônimo de Audrey e Don Wood, os mesmos autores dos livros A Bruxa Salomé, O Rei Bigodeira e sua Banheira, A Casa Sonolenta, entre outros.


Chapeuzinho, o Bolo e outros Monstros - Todo mundo tem um medo: amarela pra escuro, pra lobo ou pra monstro. Todo mundo tem um monstro: medo amarelo de coisa que nunca se viu! Nesta peça, adaptada dos livros Chapeuzinho Amarelo de Chico Buarque e Onde Vivem os Monstros de Maurice Sendak, trazemos a temática do medo abordada de forma lúdica e bem-humorada.


Contos de Bichos do Mato - Na floresta não é só a lei do mais forte que funciona. Esperteza, malandragem e criatividade valem muito e, às vezes, conseguem vencer a força bruta. Esta contação, com música e muito bom humor traz histórias do folclore brasileiro, recolhidas e adaptadas por Ricardo Azevedo, um dos grandes escritores da literatura infantil brasileira.


Furos no céu - Houve um tempo em que o Céu e a Terra eram muito próximos um do outro. Diziam que da torre do palácio se podia colher um ramalhete de nuvens, rabiscos de pássaros, carneirinhos saltitando… Esta história aconteceu numa aldeia africana. Havia tanta luz naquele dia que duas mulheres pegaram seus pilões para amassar grãos de milho no quintal de casa. Elas diziam amar a claridade e o festejo da lua cheia na aldeia. Tudo era muito mágico. Assim, trocavam mexericos e gargalhadas narrando histórias, que as levavam longe, longe. Naquele converseiro o tempo ia passando e as histórias se derramando, feito um rosário de ave-marias. Uma das mulheres, entusiasmada com a conversa, levantou a mão do pilão com tanta força e tão alto, que fez um furo no céu. O que será que aconteceu? Venha descobrir o desenrolar dessa história lúdica.


A Casa Sonolenta ( Audrey e Don Wood)- Este conto, conta a história de uma casa sonolenta, onde todos viviam dormindo. Desde uma avó, até um menino. Tudo era sono, tudo era lento. Até que apareceu uma pulga. Uma pulga!? Sim, uma pulga nada sonolenta, bastante saltitante, para acabar com o sossego e o sono daquele lugar interessante.

O caso do João Jiló ( Causo Popular) - Há muito tempo, numa fazenda não muito longe daqui, morava um menino chamado João Jiló. Ele era muito levado, malcriado e teimoso. Gostava de fazer maldades com os animais, além de outras travessuras. Acontece que um dia , como diz o dito: o feitiço vira contra o feiticeiro. Dizem que bicho, não se espezinha . Será que com isso, o Chico vira farinha!?


Um Conto com muitos pontos (causos populares)- Todo mundo conhece alguém que gosta de inventar uma história e tem pessoas que inventam até demais e cada novo ponto as histórias vão sendo recriadas e reinventadas, mostrando assim que as histórias são infinitas. Vamos contar a história de uma Tia Aventureira, tem também um Lobo que vivia com fome e de tão cuidadoso não conseguia caçar nem uma mosca e para encerrar tem a história do Zé das Penas que só queria vender sua galinha, mas coisas incríveis aconteceram nesse caminho.


Nuvem Feliz- As nuvens vem e vão, se transformam em ovelhas, elefantes e até em avião. Qualquer ventinho as empurra de um lado para o outro, e assim elas mudam de cor e humor. Tem nuvem feliz, mas isso pode ser um problema pois toda nuvem sabe um dia terá que chorar e quando isso acontece ela chora tanto que se chora toda e, assim, de tanto chorar vira chuva que molha a terra, rega as plantas e depois evapora, vai embora transformando-se em nuvem novamente.
A partir da obra Nuvem Feliz de Alice Ruiz que revela a importância da água e seus ciclos no meio ambiente.


O Rato Que Roeu o Rei - Partindo do conhecido trava-língua “O Rato Roeu a Roupa do Rei de Roma”, o poeta e ficcionista paraibano André Ricardo Aguiar, constrói uma divertida história, dialogando com brilhantismo e sensibilidade com o famoso conto folclórico “O flautista de Hamelin”, reescrito pela primeira vez pelos Irmãos Grimm. Com propriedade, André regionaliza esse conto, trazendo o enredo para a região Nordeste, e com isso, recheia a história com tipos específicos, gagues e personagens característicos. Para espantar os ratos, ocorre uma invasão de gatos, e, para tirar estes, sucedem- se, em escala exponencial, levas de cachorros, de lobos, raposas e hienas, até de elefantes e novamente de ratos. Um círculo vicioso de graça, encanto e boas risadas.

Nenhum comentário: